PUBLICIDADE
Coluna | BRASILzão
Fábio Brito
fabiobritocritica@gmail.com
O editor e jornalista Fábio Brito é responsável pela edição e publicação de centenas de títulos voltados às realidades do Brasil. Durante anos esteve à frente de selos editoriais importantes e renomados e no presente momento impulsiona, através de consultorias específicas nas áreas editorial e cultural, os selos Bela Vista Cultural e FabioAvilaArtes. A coluna Brasilzão, inicialmente através do Jornal Correio do Sul, de Varginha, foi iniciada em 11 de julho de 2004 e tem contado com a importante parceria do Varginha Online na disponibilização de vivências de Fábio Brito por todo o Território Nacional e por países por onde perambula em suas andanças.
 
São Paulo agradece à Gestão João Dória e ao Italian Trade Agency
21/12/2017

São Paulo, 16 de Dezembro de 2017.


16h30.

Em 60 minutos seriam inauguradas as obras recuperadas da Praça Ramos de Azevedo, no Centro Histórico de São Paulo. Chovia a cântaros.

A música reinante naquela atmosfera turbulenta continha ritmos "importados" do Nordeste e invadiam nossos tímpanos ao se expandirem e se imporem por alguns quarteirões, de forma peremptória, pois o sorridente proprietário da barraca de alimentos (que estava próxima do local onde me encontrava) não se questionava sobre a sensibilidade alheia ou sobre o direito do citadino de quedar-se em silêncio ou no recato de uma tarde de domingo.

Estávamos no País da Invasão. Os televisores e seus terríveis programas atormentavam os clientes e usuários nos locais públicos ou privados do entorno. Constatava eu, entristecido, a institucionalização do mau gosto e da falta de cultura popular serena.

Sentia no meu âmago que os governantes brasileiros teriam adotado e apostado na "deseducação" como um projeto de implosão da capacidade de raciocínio, de discernimento, de falta de espírito crítico ou cívico, e de não apreciação de valores culturais, educacionais ou morais, que outrora eram indispensáveis à formação do caráter do cidadão brasileiro.

Refletia sobre a postura de muitos concidadãos que sonharam em integrar a máquina política que tornou-se a impulsora legítima de atitudes nocivas ao erário público, à má gestão e à parca zeladoria de nossos patrimônios em logradouros públicos.

Fui mais além ao pensar "Deus meu, os brasileiros estão amaldiçoados e seus governantes são malditos. Não há Projeto de Nação nessa terra cambaleante!"

17h30.

Havia chegado o momento: iriam inaugurar o Conjunto das obras restauradas na Praça Ramos de Azevedo.

Com exceção de pequenos detalhes (como a pintura que não delineava ou não acompanhava os movimentos das formas esculpidas e maculava as linhas curvas ou retas das Obras de Arte concebidas no início do século passado), a  tinta escorregadia agredia esteticamente pela falta de cuidados exigidos no restauro, refação e condução dos pincéis que deveriam estar manuseados por hábeis artesãos do ofício da arte. A mão de obra contratada certamente estava carente de instruções sobre o refinamento destes pequenos detalhes que passam muitas vezes desapercebidos pelo grande público ou permanecem percebidos apenas por especialistas e pelos amantes de requintes na expressão artística plena.

Os festejos e os discursos continuavam tranquilos até que o prefeito atuante, João Dória, bradou em alta voz contra "os cachaceiros", "os que não trabalham e que buscam atrapalhar os esforços para que a cidade se torne aprazível". Sentia-se o Prefeito livre para atacar ou para contra-atacar?...

Do alto do Viaduto do Chá que, majestosamente, sobrepassava o vão livre do Vale do Anhangabaú, pequenos grupos de inconformados convictos berravam: - "João coxinha, reacionário!!!".

Face ao torpedo lançado pelo aparentemente destemido Prefeito, os "descontentes" se acovardaram e se calaram. As suaves canções italianas, entretanto, disseminavam harmonia e uma ponta de nostalgia aos que conheceram os "Brasis" de outrora. Quando reinavam Rita Pavone, Pepino di Capri, Sophia Loren, Gina Lollobrigida, Lando Buzzanca, Marisa Mel e... quando o sonho dos brasileiros era extasiar-se em frente da Fontana di Trevi, em Roma, ou aventurar-se pelos tons de anil na Costa Amalfitana, nas límpidas águas do Mediterrâneo. 

Com melodia sensível, sons tênues e trilha sonora adequada, a música brasileira também imperava e os presentes se encontravam felizescom a obra entregue no prazo.

Porém meus olhos críticos percorriam as pequenas imperfeições em detalhes do tosco e precário acabamento que, de certa forma, desnudavam a falta de compromisso dos trabalhadores brasileiros para com a estética.

Mesmo assim o conjunto estava belíssimo e me permitiu ousar a manifestar-me junto às empresas parceiras e entidades que se uniram para colaborar para que nós outros, comuns mortais habitantes da cidade de São Paulo, tivéssemos a satisfação de rever a Fonte dos Desejos e as obras de seu entorno recuperadas e entregues à População da então desfigurada Capital Paulista.

Luis Brizzolara, nascido em Chiavari, na Itália, nos presenteou com o monumento a Antônio Carlos Gomes - conjunto escultórico executado pela empresa Camiane eGuastini - Fonderia Artística in Bronzo, Pistóia, Italia -. que teve sua implantação no nobre espaço paulistano em 1922.

Dentre as obras de arte e seus componentes espalhados pela Praça Ramos de Azevedo, extasiei-me e emocionei-me ao apreciar  as estátuas em bronze ou em mármore, cuja temática se referia às óperas executadas por Antônio Carlos Gomes: Música, Poesia, Fosca, Condor, Maria Tudor, Schiavo, Fonte dos Desejos-Glória, Salvator Rosa, Guarany, Estados Unidos do Brasil e Itália. Um pouco mais além revi "Rui Barbosa", de autoria de José Cucé, a qual foi implantada em 1930 por iniciativa da "Acadêmicos de São Paulo".

Imponente e sábio, Rui Barbosa, repousava seu braço direito no pedestal em granito que enobrecia a pose e a atitude do grande orador.

As pessoas encontravam-se felizes e honradas ao receber da Gestão Municipal atual de João Dória e das Empresas Patrocinadoras estas obras espetaculares (devidamente recuperadas) e necessitando de apenas um pouquinho mais de cuidado para que a entrega estivesse literalmente perfeita.

O nosso sincero obrigado a todos os envolvidos, ao Prefeito de São Paulo, aos Patrocinadores e Apoiadores e, sobretudo, aos Mentores do Projeto através do Italian Trade Agency - ITA.

        

 

Comente o Artigo
 
Últimos artigos deste colunista
09/10/2020
30/09/2020
25/09/2020
28/08/2020
« ver todos
 

Home | Notícias | Entretenimento | Promoções | Expediente | Privacidade | Anuncie Aqui |Central do Usuário

Varginha Online - © 2000-2021


Provedor e Parceiro Oficial
IPHosting